As cores a seu favor

As cores têm o poder de influenciar pessoas, descrever emoções e até elucidam melhor algumas situações do nosso cotidiano como um ‘dia cinza’, estar ‘vermelho de raiva’, ‘verde de fome’, e por aí vai.

A história da moda também pode ser contada através das cores: os tons pastel do começo do século, os sóbrios das guerras, as cores doces dos anos 50, as vibrantes psicodélicas dos anos 70, as primárias e fortes dos anos 80, os neutros dos anos 90… cada década foi marcada por uma gama de cores, até resultar na grande miscelânea que vemos nos dias de hoje.

Psicologicamente os tons também têm seus significados. Os tons sóbrios remetem à autoridade, sisudez, seriedade, enquanto os tons mais açucarados como os pastéis projetam mais docilidade, amorosidade, empatia, romantismo. Do ponto de vista de moda, enquanto os tons neutros – como o preto, marinho, cinza, cáqui – transmitem elegância, os tons vivos imprimem mais jovialidade e informalidade.

Isso sem contar a influência dos nossos gostos pessoais e a harmonia que as cores têm – ou não – com cada um de nós. Uma cor pode ficar incrível em uma pessoa – porque valoriza o tom de pele, olhos, cabelos – e ser um desastre em outra pessoa. Isso acontece porque somos únicos, e devemos nos respeitar dessa forma, na nossa individualidade.

Assim, várias são as informações que deve-se levar em conta ao escolher um look para encarar o dia, não considerando apenas o humor, mas também qual imagem se espera passar e o que se está buscando nos compromissos daquele dia. A cada dia podemos combinar um pouco dessas informações para fazermos a escolha da cor de acordo com o que pretendemos para aquele dia.

vermelho; cor forte; informalidade; personalidade forte; segurança

vermelho: segurança; excitante; dominador; ativoVerde: confortante; pacificador; familiarVerde: confortante; pacificador; familiar

Preto: sobriedade; autoridade; formalidade; rigidez

Preto: sobriedade; autoridade; formalidade; rigidez

Cinza: neutralidade emocional; equilíbrio; respeitável

Cinza: neutralidade emocional; equilíbrio; respeitável

Cores fortes contrastantes: informalidade; jovialidade; alegria; despojamento; atitude aberta

Cores fortes contrastantes: informalidade; jovialidade; alegria; despojamento; atitude aberta

Nude: docilidade; romantismo; tranquilidade emocional; amabilidade

Nude: docilidade; romantismo; tranquilidade emocional; amabilidade

Branco: paz; calma; leveza; pureza

Branco: paz; calma; leveza; pureza

Laranja: vibrante; animador; sociável; informal

Laranja: vibrante; animador; sociável; informal

Rosa: acessível; doce; gentil; feminino

Rosa: acessível; doce; gentil; feminino

Amarelo: vibrante; alegre; estimulante

Amarelo: vibrante; alegre; estimulante

Roxo: forte; aristocrático; dramático

Roxo: forte; aristocrático; dramático

Azul: pacificador; tranquilizante; conservador

Azul: pacificador; tranquilizante; conservador

Marrom: familiar; informal; firme

Marrom: familiar; informal; firme

Anúncios

O que vestir?!

Vestir-se é um pequeno ritual diário, dentre os muitos hábitos essenciais que permeiam nosso cotidiano. O corpo é a base, a tela em branco que nos é dada todas as manhãs para que a preenchamos e adornamos de acordo com os compromissos que temos, com a ‘imagem’ que queremos passar e também com nosso sentimento no dia. A roupa é, assim, a extensão não apenas do nosso corpo, como da nossa essência, nosso ‘lifestyle’. Na moda, independente das regras e códigos, o mais importante é estar de acordo com nosso interior, se olhar no espelho e reconhecer e gostar do que se vê. A roupa dá ao corpo a forma e a aparência que quisermos. É nós que estamos no comando. Pense nisso!

Você sabe comprar?

A roupa deve ser ferramenta de comunicação de que a gente é, expressar nosso estilo, independente de estarmos ou não ‘com a peça da estação’. A gente tem que olhar no espelho e identificar-se com aquilo que vê, reconhecendo que o que está na ‘embalagem’ se relaciona e expressa  o que está no interior. Assim, o consumo tende a ser mais consciente, mais equilibrado e verdadeiro, fazendo realmente sentido em nosso guarda-roupa e vida. A influência na hora da compra tem de vir menos de fora – publicidade, blogs e afins – e mais de dentro – identidade e necessidade. Quem compra motivada por demandas internas, refletidas, sente satisfação não só no momento da compra, mas também a cada uso útil, versátil e confiante do que foi adquirido. Compre menos e melhor!

Seu estilo a seu favor

Com consciência sobre seu estilo você tende a economizar tempo e dinheiro na hora de se vestir. Faz escolhas mais certeiras, que valorizam sua identidade e seu tipo físico, evitando o que não lhe cai bem e compras desnecessárias. Assim, contribui para sua segurança e auto-estima. Claro que o estilo muda com o tempo, com as diferentes fases da vida… E com o humor também, às vezes. Mas a essência, um estilo base, permanece o mesmo. E a este deve-se ser fiel, reconhecendo o que entra e sai em cada fase.

Afinal, o que é Estilo?

O conceito de Estilo deriva da história da arte e consiste em um conjunto de características de certa forma constantes que permitem a identificação da arte em relação ao período, região, grupo de artistas ou sua fase.  Com o tempo,  passou a significar uma maneira especial de fazer qualquer coisa. Na moda, temos que  estilo é o modo como cada um se mostra ao  mundo, de acordo com seus valores, sua personalidade e seu estilo de vida. Mas nem sempre temos consciência dessa informação ou a usamos favoravelmente. E assim, sofremos influência da mídia, aderindo e adquirindo coisas com as quais pouco nos identificamos, e nos distanciamos das nossas legítimas referências, afim de integrarmos certo grupo da sociedade. Com isso, perdemos cada vez mais nossa identidade e nosso estilo, e, junto, nossa auto-confiança, compensando muitas vezes toda essas ‘perdas’ com consumo, para  suprir essas lacunas. Por isso, afim resgatar essa essência e não deixar que ela se esvaia por completo, darei uma dicas e informações para identificar, preservar e valorizar o estilo de cada um.